Nova Petrópolis foi uma bela surpresa na nossa viagem à Serra Gaúcha! Já visitamos Gramado 13 vezes e só uma única vez tínhamos passado por Nova Petrópolis. Mas desta vez prometemos que não voltaríamos sem conhecer bem o destino. 

A cidade parece saída de um conto de fadas. Praças floridas, casinhas enxaimel e pessoas falando alemão na rua revelam a essência da cultura germânica, trazida pelos imigrantes na segunda metade do século XIX.  

O Jardim da Serra Gaúcha, como Nova Petrópolis é carinhosamente chamada, tem apenas 20 mil habitantes e fica a 35 km de Gramado. É também a capital nacional do cooperativismo, por ter sido sede da primeira cooperativa de crédito da América Latina. 

Em uma viagem para lá você pode se fartar com a culinária típica nos restaurantes alemães, tomar muitos chopes nas cervejarias artesanais, visitar atrativos que contam a história local e vivenciar a cultura com trajes, música e dança germânica.

Conheça os principais pontos turísticos de Nova Petrópolis e marque logo sua viagem!

Esculturas Parque Pedras do Silêncio

Nosso dia frio e ensolarado começou com uma visita ao Esculturas Parque Pedras do Silêncio. Ele conta a história da imigração germânica por meio de uma linha do tempo montada com mais de 80 esculturas de pedras. Você vai passeando pelos jardins e descobrindo os costumes, as tradições e os ofícios dos alemães ali chegados, através da arte esculpida em imensos blocos de arenito. Destaque para algumas figuras ilustres que marcaram época. 

Parque Aldeia do Imigrante

O Parque Aldeia do Imigrante é o lugar onde você se sente mais próximo dos colonizadores. Após passar pelo pórtico você chega na Aldeia Bávara, que tem um Biergarten ao centro, onde acontecem apresentações folclóricas, e diversas lojinhas de artesanato, de malha e de produtos coloniais ao redor. Ao andar pelas ruas cercadas por jardins e lagos, você chega na Aldeia Histórica e se depara com a arquitetura enxaimel, aquelas casinhas fofinhas, com telhado pontiagudo, que a gente vê em filmes. As construções foram removidas de seus lugares originais e reconstruídas lá. Tem capela, cemitério, escola, cantina, casa, venda, cooperativa, ferraria, sapateiro e estúdio fotográfico. E não são só cenográficas, você pode entrar em todas e ver como era a vida naquela época.  

Praça das Flores

A Praça da República, mais conhecida como Praça das Flores, é um deleite para os olhos. São centenas de florzinhas coloridas, plantadas minuciosamente uma ao lado da outra, para compor os jardins. Dá pra sentar nos banquinhos e ficar apreciando o vai e vem de turistas e moradores, além, é claro, de fazer várias fotos. Fica ao lado da Rua Coberta, onde acontecem os principais eventos de Nova Petrópolis.

Labirinto Verde

A parte mais divertida da viagem foi, sem dúvida, procurar a saída no Labirinto Verde. Ele fica na Praça das Flores e é uma cerca viva feita de ciprestes. Quem está de fora e do alto acha que é fácil, mas quando você entra, começa um vai e vem em caminhos sem saída até conseguir chegar ao centro. 

Kukos

A loja Kukos é a coisa mais linda do mundo! São cucos e mais cucos do teto ao chão, dos mais clássicos aos mais rebuscados. Os relógios criados na região da Floresta Negra, na Alemanha, há 300 anos, são mundialmente conhecidos. Eles são talhados a mão e considerados verdadeiras obras de arte, com ricos detalhes, que impressionam pela perfeição. A loja tem também relógios carrilhões e ítens de decoração, especialmente de natal. Mas levar um destes pra casa não sai por menos que R$ 1.000,00.

Onde comer em Nova Petrópolis

Colina Verde

Ah o Colina Verde! Foi justamente este restaurante o motivo de nossa passagem por Nova Petrópolis em 2009. Amamos tanto o lugar que estávamos ansiosos para voltar, e a experiência foi incrivelmente igual! O restaurante serve o melhor da gastronomia colonial (alemã, italiana e gaúcha), no qual um banquete é colocado à mesa e você pode repetir o que quiser. São pratos e mais pratos de lamber os beiços, se encerrando com uma panqueca de maçã quentinha. Tudo claro, acompanhado de uma boa cerveja!

Cervejaria Edelbrau

A Edelbrau surgiu quando dois amigos recém-chegados de um intercâmbio na Irlanda decidiram montar uma microcervejaria. O negócio deu tão certo, que hoje já produzem nove rótulos, tem um gastropub e visitação à fábrica. Não saia de lá sem experimentar a refrescante Wit Bier, cerveja que leva mexerica e foi feita em homenagem a avó de um dos donos.   

Mukli Alfajores

Hora do café e seguimos para o Mukli Alfajores. A casa foi aberta em 2012 por um uruguaio, que trouxe todos os segredos da sua terra para criar os melhores alfajores da Serra Gaúcha. As paredes são cobertas de caixas de alfajores de todos os sabores, com destaque para o recheado com doce de leite e coberto com chocolate. Não saia de lá sem experimentar o delicioso milk shake de alfajor, que pode ser degustado em uma das confortáveis mesinhas com vista para a rua. É uma opção deliciosa de souvenir para levar!