O Parador Casa da Montanha é a coisa mais linda do mundo, parece até saído de um filme! Cabanas de lona ocre construídas em palafitas, na beira de um rio que corre lentamente, enquanto passarinhos cantarolam nas copas das araucárias que o circundam. 

Junto à recepção fica uma imensa sala com lareira, bar, sinuca e vidros que vão do chão ao teto, para destacar os campos de cima da serra ao fundo. 

Para quem prefere ficar ao ar livre, um deck de madeira se estende sobre a grama, com poltronas convidativas para assistir ao por do sol tomando um chimarrão. Nas noites frias, a boa é se enrolar em uma mantinha e curtir o fogo de chão, tomando um vinho.

Cabanas 

Minha aconchegante cabana tinha cama queen com enxoval Trousseau, criados, abajures, moringa, caixa de som, estante com TV e DVD, ventilador de teto, calefação, cabideiro, lavabo, toalete e amenites L’occitane. 

Além de uma varandinha com rede, onde eu recuperava as energias ao voltar dos passeios. Toda noite a camareira fazia o serviço de abre leito, e deixava bombonzinhos e previsão do tempo para o dia seguinte!

No clima de acampamento, para tomar o banho eu tinha que ir até a Casa de Banho, onde ficam os chuveiros, a sauna e uma jacuzzi compartilhada. O hotel tem também opções de barracas suítes e de suítes superior, que tem banheiro com chuveiro. 

Gastronomia

O restaurante Alma, que fica no hotel, é divino! Fizemos todas as refeições lá: café da manhã, almoço e jantar, e foi tudo muito bom, dos ingredientes, a variedade e execução dos pratos. Todo sábado tem churrasco campeiro.
Acordar com uma mesa cheinha de produtos coloniais é pura felicidade. Pães, cucas, queijos, salames, geleias, iogurtes, café e sucos estavam sempre à disposição, além de ovos preparados na hora, ao gosto do cliente.

No almoço e no jantar o que chamou atenção foi a composição do cardápio, que tinha de carnes a peixes, passando por frutos do mar e cortes exóticos, como pato, cordeiro e javali. Os acompanhamentos também surpreenderam, com massas, risotos e legumes finamente preparados. Isso sem falar das sobremesas, que eram um capítulo a parte!

Para beber também tinham opções para todo mundo, drinks, cervejas artesanais e uma extensa carta de vinhos. Destaque para as cervejas Casa da Montanha (weiss e pale ale) produzida especialmente para o hotel.

O restaurante é aberto também para não hóspedes, e garanto que a experiência gastronômica vale muito a pena! 

Cavalgada 

Quem me conhece sabe que morro de medo de todos os bichos, acho que tenho algum trauma de infância. Mas o cenário estava tão convidativo, que resolvi me arriscar na cavalgada pelas terras do hotel.

O Rodrigo, que conduziu a tropa, me colocou em um cavalo mansinho e segurou minha rédea até eu sentir confiança para andar sozinha. Passamos por vales com paisagens surreais, entre lagos e araucárias.

Foi 1h30 contemplando a natureza e desligando totalmente da correria do dia a dia. Uma experiência revigorante, que ficará na memória. 

Cavalgada = R$ 125

Quadriciclo

Eu nunca tinha andado de quadriciclo na vida, mas quando vi que essa era uma das atividades oferecidas pelo hotel, é claro que quis me aventurar. 

Acelerei demais, passando por poças de água, por grotas e por bosques. A sensação do vento cortando o rosto e a adrenalina a mil, foi inesquecível e bem divertida! 

Quadriciclo = R$ 225

ONDE SE HOSPEDAR

Parador Casa da Montanha Ecovillage

Diárias para casal, com café da manhã, a partir de R$ 500  

Informações: www.paradorcasadamontanha.com.br